segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Whats the point?




Qual o sentido de na Terceira Temporada se lançarem tantos mistérios sem nunca serem solucionados?
Quem estava atrás do Bad Cooper?
Quem é Judy?
O que Raio se passa com Sarah Palmer?
Qual o significado do simbolo misterioso ?
O que raio aconteceu a Audrey?
E a Steven?
Qual o sentido de salvar Laura Palmer?
Onde esta Billy?
E Annie o que lhe aconteceu?
E a Leo?
Qual o objectivo do projecto da Caixa de Vidro que vimos no inicio?
O que era o sapo que a miuda engoliu no episodio 8? Um espirito dos Lodges?
E no fim qual o sentido do final?

A serie teve momentos muito bons, mas creio que falhou no final, ao não resolver o mistérios que trazia pendentes, além de criar outros que se tornaram redundantes ou que nunca foram resolvidos.

O Episodio 17 teve momentos muito bons, mas se pensarmos bem, momentos a correr.
Passamos mais tempo em cenas sem sentido que em cenas importantes.
Onde está o confronto Mr.C com o verdadeiro Cooper?
E o segredo de onde esta e como destruir Judy ?
Porque razao aquilo que mais se esperava - Cooper de novo em Twin Peaks se resumiu a 15 minutos +- sem trazer de volta explicações e as personagens que queriamos ver.

Da minha parte adorei as cenas em que trouxeram de volta o Bob. Todos sabemos que Frank Silva morreu há 20 anos. E foram até cenas interessantes.

Duvido que haja nova temporada...um filme tambem não me parece....fica apenas o livro de Mark Frost que provavelmente vai responder a algumas das questões.

O Estilo de David Lynch é bem peculiar e adoro-o, no entanto deveria ter maior respeito com os espectadores e até com as suas criações, dando-lhes espaço e soluções.



segunda-feira, 14 de agosto de 2017



Espiritualidade Fast food

Resultado de imagem para michael archangelResultado de imagem para ashtar sheran

Antigamente achava-se que ser espiritual era:
ir a missa,
rezar diariamente,
ler a Bíblia,
pôr velas em santuários,
peregrinar....

Hoje,
por imagens de santos, ovnis, mestres ou o que seja no facebook,
rezar orações novas ou acabadas de criar,
ler canalizações,
aprender mil e uma terapias energéticas,
pôr velas a milhares de coisas,
abrir portais ou fazer retiros de 500 euros/dia


Antigamente, adorava-se:
Deus,
imagens dos santos,
os anjos,
noutros locais os devas, budas.

Hoje, adoram-se:
Mestres,
mil e uma encarnações de Deus segundo a dimensão,
ets
ovnis e mestres intergalaticos,
energia.

Antigamente,
era-se quase obrigado a seguir os preceitos da religião dominante.

Hoje,
pode-se seguir o que se quiser.

Antigamente,
esperava-se o Apocalipse, a vinda de Cristo.

Hoje,
201..., os ets, os mestres.


Não mudamos assim tanto...continuamos simplesmente a trocar uns por outros.
Trocamos textos antigos muitas vezes errados (a Biblia tem mil e um mandamentos de mandar matar) por novas Verdades (canalizações de coisas que nunca se cumprem, no fundo negocios).
Trocamos rituais X por rituais Y.
No fundo continua-se a chamar Espiritualidade a algo que na maior parte das vezes não é.
Acha-se que ser espiritual é ter roupas com simbolos, saber mil tecnicas energeticas, usar cristais, canalizar entidades ( quantos canalizadores de Jesus existem...mais de 5000!!!!)



'' Nem tu, nem eu, nem ninguém sabe nada sobre nada. O que devemos saber é que nada sabemos. E assim viver a tentar conhecer pelos meios internos o que nada sabemos pelos meios externos.''

Yeshi


'' Um dia, um homem na Fenícia ouviu uma cigana com a voz de Deus, dizendo que seria o seu destino ser pescador. 
Após longos anos fazendo muitas coisas que não ser pescador resolve pescar. Meses e meses a tentar e nada lhe corria de feição. Não gostava de pescar, nem tinha a minima habilidade.
Isto se resume a uma coisa - Não sigas à letra o divino que surge pela voz dos outros ou da tua mente, escuta a Voz do teu Coração.''

Yeshi


'' Escuta.
nada mais te posso ensinar que senão isso.''

Yeshi

sábado, 12 de agosto de 2017

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Limitação, Gangaji



"Queria esclarecer sobre as limitações da linguagem.Porque isso pode ser uma grande armadilha.
Linguagem é algo muito poderoso que nós seres humanos possuímos; belíssimo poder, maravilhoso poder, pura linguagem. Quando começamos a falar, o fundamental ainda permanece distante, porque a compreensão depende daquele que escuta.
Quando falamos em realização, iluminação, temos a impressão de que seja algo muito difícil; Nós compreendemos desta maneira simplesmente pela maneira que compreendemos a linguagem, que sempre nos coloca alguma coisa em separado de outra.
Isso é a base das divisões entre nós, a linguagem, a mente que sempre aponta diferenças, distancias, separações.
Essa separação externa repercute na compreensão de uma separação interna.
Mas na verdade estamos todos juntos, sempre, isso é somente os artifícios da linguagem.

Eu nem lhes digo façam alguma coisa nem que não façam alguma coisa. Nem um nem outro é certo ou errado. Não existe algo versus algo; Paz não é algo versus algo.
Paz é inclusiva. Mesmo a palavra inclusiva é pequena para defini-la.

Me perguntaram: O que são os ensinamentos não-duais? O que posso dizer é que não dualidade é TOTALIDADE, está incluído toda dualidade; Não está se criando oposição entre dualidade e não- dualidade. É assim que nossa mente funciona, criando rivalidades; escolhendo alguma coisa em detrimento de outra, uma coisa melhor que a outra, uma mais alta que a outra.
Quando nós deixamos isso para trás, apenas pela pura investigação, simplesmente por estarmos acostumados a usá-los, nós deixamos esses termos para trás - apesar deles não estarem errados - podemos ir além deles, numa visão mais ampla, includente, livre dessas terminologias, embora nós conversemos, podemos relativizar esses termos, podemos ir além dessas diferenças. Sair desses conceitos de que dualidade é isso, não-dualidade é aquilo, apenas esqueçamos disso por um momento, isso ainda é uma batalha da mente.

A mente aberta não se fixa. Toda essa busca, do que devo fazer, aonde devo chegar, aquilo que quero alcançar, deve ser esquecido, abandonado.
Aquilo que é basta. Não existe nada a alcançar, nem erros nem acertos, precisamos encontrar aquilo que É. Neste momento veremos que não excluímos nada, nem colocamos peso em nada, é apenas uma experimentação.

É maravilhoso saber "coisas", maravilhoso saber de muitas coisas, é parte como disse, da natureza humana, mas aquilo que investigamos aqui é aquilo que está livre de saber as "coisas", aquilo que é intocável por qualquer conhecimento, aquilo que é independente daquilo que chamamos "conhecimento", não separado deste, mas independente, livre.

Não importa o que sabemos ou não sabemos, isto, permanece em paz.
Quando dizemos que conhecemos nossas limitações, de variadas maneiras, estamos caindo novamente na fixação das limitações superficiais e nos afastando daquilo que está além disso e
que permanece ilimitado.

Um dos meus professores dizia: Pare de adiar, você já é realizada, iluminada; a mente é especialista em criar adiamentos. Preciso lidar com minha raiva, preciso lidar com minha insegurança, ainda preciso parar de me odiar. Pare com isso, simplesmente pare de se odiar; veja as histórias de auto-ódio, veja quanto você se alimenta dessas histórias antigas e sinta que se você parar de contar essas histórias para você mesmo imediatamente você está livre, solto e o ódio se transforma instantaneamente em amor, em paz, porque sempre foram seus próprios pensamentos que criaram a guerra dentro de você; todos esses dramas de auto-ódio ou de não se odiar mais, tudo isso ainda é uma peça teatral que você insiste em contar para si mesmo. Feche essas cortinas dramáticas e isso é paz.

Existem muitas memórias, muitas histórias humana que são horríveis, e nós sabemos disso, claro que sabemos. Rivalidades acontecem sempre, ontem, hoje e muito provavelmente no futuro também. Não sugiro que você negligencie isso,sugiro que você esteja bem consciente sobre isso; não se trata de um processo de negação. Existem essas mesmas rivalidades dentro de cada um de nós.
Na experiência direta existe uma revelação que nem possui um nome, já que é tão próxima para se ter um nome. É o que se chama de Verdade, ou Liberdade, ou Paz que está além da compreensão. Paz é mais próxima do que a compreensão, não é fora do alcance, é a mente que tem o poder em se afastar disso.

Neste momento simplesmente sente-se e reconheça que tudo está aí, acontecendo, não existe nada errado, temos a oportunidade de parar com essa discussão interna, seja ela sobre nós, o outro ou sobre outra coisa qualquer, passado, futuro.
Discussões mentais são sobre alguma coisa passada ou futura; Vejam que essas discussões não estão erradas também, são capacidades humanas em planejar, idealizar, analises de probabilidades; do mesmo modo aprender com o passado, aprender com seus enganos, mas isso não nos impede de cometermos os mesmos enganos, porque ainda existe alguma coisas que precisa ser realizado, nem mesmo é uma coisa ou nenhuma coisa, é indefinível, não é algo é você.

Você é indefinível.
Se estiver disposto a se render por um momento, deixar de lado toda e qualquer definição sobre si mesmo - boas ou ruins - apenas se renda, abandone todas definições subjetivas, de que algo necessita ser mudado, apenas se renda, abandone todas as definições, você descobre
diretamente as mentiras por trás dessas "necessidades".

Você é sempre indefinível.
O Um é indefinível.
Quem somos nós, é indefinível.E isto não está em oposição a definição.É anterior a qualquer definição, dentro disto.
Quem você é, é sempre aqui."

Gangaji

quinta-feira, 27 de julho de 2017

quarta-feira, 28 de junho de 2017

pensamentos

''We don't always get what we deserve in life; we get what we believe we deserve.''




''Life is full of cactus, but you don't have to sit on it.''





''How good can I stand it today?''



quarta-feira, 21 de junho de 2017

Sobre tudo o que tem acontecido nos últimos dias/meses :




"Nós escutamos o barulho do carvalho que cai, mas não escutamos o barulho da floresta que cresce.
 Hoje, fala-se muito das coisas que estão a desmoronar, que fazem barulho, mas o mais importante é aquilo que não se ouve; é preciso prestar atenção às sementes de consciência que estão a brotar." 

Jean-Yves Leloup

quinta-feira, 15 de junho de 2017

''Havia uma Porta... eu não tinha a Chave.

Havia um Véu... eu não podia Ver.

Uma conversa rápida no meio do tempo entre Mim e Ti

Pareceu surgir — e, então, nada mais de Ti e de Mim.''

Omar Khayyam



quinta-feira, 1 de junho de 2017

Parte 4 - Aqui recomeça Twin Peaks




Twin Peaks está de volta.
E apenas para os que viram a primeira e segunda temporada.
Mas se muitos (eu inclusive) esperava que tudo começasse muito lentamente sem grandes mistérios, eis que David Lynch e Mark Frost rebentam com isso.

Tivemos 3 episodios marados.
Marados é pouco.

Twin Peaks enquanto cidade ainda pouco apareceu.
Uma Senhora do Tronco a morrer que transmite mensagem a Deputy Hawk.




Um Cooper ainda perdido no Red Room e vários coopers.... um deles possuido por BOB.

Laura Palmer surgiu uma vez já.

Entretanto dezenas de outros personagens apareceram, noutras terras, noutros mapas.
São peças soltas do puzzle.

São dezenas de minutos por vezes a ver algo que por vezes nem parece Twin Peaks.
Por vezes passamos minutos a ver um relogio, ou uma cena que se repete e repete e repete sempre igual.
E ficamos ali, porque é estranho. E é gostoso.

Então no episódio 4 tudo começa a fazer sentido.

Desenterram-se 25 anos depois a Caixa com Investigação da morte de Laura Palmer.
E ai Bobby Brigs seu antigo namorado, agora policia chega.

Ele olha a caixa.
Ele vê a foto de Laura.

A musica The Love theme volta a jorrar pela primeira vez em 25 anos.
E  ele jorra lagrimas tambem.
E de repente nos estamos ali tambem.
Twin Peaks está ali.
A Emoção FOI DESENTERRADA.
Estamos nós tambem com amnesia....e agora a memoria volta... Laura, laura. laura....


Agora sim Twin Peaks parece começar.


O lado negativo :
Tem sido muito esquisito.
Alguns dialogos são muito lentos. 
Não aparecer ainda cenas com as personagens que todos esperam.
A musica de Badalamenti não é ainda iconica.

Um dos aspectos que todos os fãs perguntam é um só: E Bob?

Ninguém sabe se será substituido.
Se usarão ser digital como o monstro que aparece no primeiro episodio.
Até lá Bob está dentro de um hospedeiro....

Resultado de imagem para season 3 twin peaks cooper bobfinal da Segunda temporada


O Bom Cooper

Bob/Cooper/Doppelganger

e o ..

Dougie....fabricado pelos seres do Black lodge para impedir bom Cooper de sair



Esta noite voltei a ter pesadelos com Bob.
Havia a floresta e as cortinas vermelhas e o Bob igualzinho á cena com Maddy em direcção a mim.
É tão bom ter pesadelos....